quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Texto Argumentativo


EMEF PROFº Fernando Pantaleão

Língua  Portuguesa - Texto Argumentativo I - Leitura, Análise , Produção Escrita - 9os.  Ano
3º Bimestre/2011



    No ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. " E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?" indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou  doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molhar os pés, e assim por diante — além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de Eliseu*. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade;  a questão  é até que ponto, e como deve ser exercido.

* Eliseu é um profeta bíblico, discípulo de Elias. Um dia, um grupo de rapazes zombava dele. O profeta, então, amaldiçoou-os em nome do Senhor. Imediatamente saíram da floresta dois ursos que despedaçaram quarenta e dois daqueles rapazes. O episódio é relatado em II Reis, 2.23.25. No texto, ao falar de anciãos que não possuem a capacidade de resposta de Eliseu, o autor quer dizer  que há anciãos que não podem defender-se das zombarias e malcriações de crianças e jovens

      RUSSEL,  Bertrand. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo. Nacional, 1957. p.146.

Questão 1

Pode-se depreender da leitura que o autor seja contrário à liberdade?

Questão 2

O autor  acha que só devem existir restrições à liberdade na escola?

Questão 3

Quando afirma "que toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim"; "um pouquinho mais velhos , os meninos , podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molhar os pés", o autor usa uma série de figuras para mostra o primeiro limite à liberdade de fazer o que quiser. Qual é esse limite?

Questão 4

Quando diz que muitos meninos se divertem importunando anciãos, o que o autor mostra um segundo limite à liberdade. Qual é ele?

Questão 5

Para o autor, no ensino, deve haver liberdade. No entanto, devem estar presentes outros elementos. Quais são eles? Constituem eles valores absolutos, sem limites?

Questão 6

Pode-se agora responder quais são as liberdades que não podem ser toleradas?

Questão 7

O tema geral do texto é:

(a) A liberdade é um valor absoluto.  
(b) A autoridade e a disciplina são valores absolutos.
(c) A liberdade é um valor que admite gradações.    
(d) A liberdade é  sinônimo de  fazer o que der na veneta.   
(e) As pessoas nunca sabem usar a liberdade.

Produção Escrita

                No texto de Bertrand Russell que você acabou de estudar, o autor mostra que liberdade não significa fazer o que bem se entende, que a liberdade é uma questão de grau.
              O texto indica que há algumas situações que se devem estabelecer proibições às crianças. Assim, uma criança não pode ser livre para engolir alfinetes, importunar velhos, etc.
              Para os adultos, a liberdade é um valor absoluto ou é também uma questão de grau? Redija um texto expondo seu ponto de vista, mostrando situações em que não se podem estabelecer proibições ou situações em que se podem.
                Para ajudá-lo a pensar vão aqui algumas situações: ouvir música a todo volume, num prédio de apartamentos, depois das 10 noite; invadir as reservas ecológicas desmatando-as; dirige embriagado; publicar num jornal ou internet um boato não confirmado que atinja a honra das pessoas. Não se restrinja a essas situações. Imagine outras para fundamentar seu ponto de vista.
                Se seu ponto de vista for que a liberdade não deve ter restrições, explique bem o porquê; se for que a liberdade é uma questão de grau, deixe bem claros os limites desse direito.

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI,Francisco Platão. Para entender o texto . São Paulo. Ática, 1997. p.90-91.





Um comentário: