quarta-feira, 26 de outubro de 2011





Língua Portuguesa - Leitura e Análise Textual - Narrativa de Aventura - 4º Bimestre /2011

Este texto é um trecho da segunda parte do trabalho mais conhecido do autor Jonathan Swift "As Viagens de Gulliver"

Segunda  Parte

Viagem a Brobdingnag

1.  Pequeno demais para ser visto
        
            Minha mulher Mary não gostou nem um pouco quando eu, dois meses após meu retorno à Inglaterra, comuniquei a ela que dali a alguns dias embarcaria em direção à África, num navio cujo nome era irresistível para mim : Aventura.
            Ela continuou cozinhando, sem querer levantar os olhos do fogão. Ainda tentei tranquilizá-la, dizendo que depois de Lilliput, nada de surpreendente ou mais perigoso poderia acontecer... Mary fez apenas um muxoxo e eu percebi que o seu sexto sentido a fazia desconfiar de minhas palavras...
            Os primeiros vinte dias de viagem não foram muito calmos, pois os ventos fortes dificultavam as operações de bordo e a manutenção da rota. Na madrugada do 21º dia, o Aventura foi atingido por uma violenta tempestade que, embora tenha durado horas, foi suficiente para fazer com que perdêssemos nossa localização no mapa.
            O dia seguinte amanheceu claro e bonito. Logo avistamos, ao sul, alguns rochedos, que poderiam pertencer a uma ilha ou mesmo a um continente. Como já se esgotava nossa água potável, o comandante ordenou a 12 homens que tomassem um bote e procurassem fontes ou rios; talvez até achassem alguém que nos informasse sobre nossa localização. Parti com eles.
            Foi um pouco custoso alcançar a praia, por causa dos recifes enormes e pontiagudos. Quando finalmente chegamos, resolvemos nos separar. Eu, com minha experiência, iria por um lado e os outros homens pelo outro, até nos encontrarmos no ponto de partida, duas horas depois.
            Andei bastante tempo sem encontrar vestígio de água. Decidi voltar para ver se os marinheiros tinham tido melhor sorte. Quase próximo ao lugar combinado, olhei para o mar e vi meus companheiros no bote, afastando-se rapidamente da praia em direção ao navio.
            Eles haviam me esquecido em terra ! Comecei a chamá-los:
            —Esperem! Estou aqui !
            Porém, meu último grito ficou preso na garganta e o meu olhar fixo na figura de um homem de mais ou menos 20 metros de altura, que ia no encalço do bote e do Aventura.
            A enorme criatura encontrava alguma dificuldade para andar no mar: os recifes, com certeza, machucavam seus pés. Apavorado com aquilo , meu único pensamento foi sumir dali o mais rápido possível. Dei meia-volta e saí em disparada pelo mesmo caminho que acabara de percorrer. Subi pela encosta de uma colina e, à medida que corria, fui notando que o tamanho das plantas era muito estranho: o capim tinha pelo menos seis metros de altura e os pés de milho, uns 12 metros.
            Por mais de uma hora, andei por uma estrada que cortava o milharal, até que não consegui ir mais adiante: entre o campo de milho e a outra plantação, havia uma cerca intransponível. E a escada de acesso — pois havia uma diferença de nível — possuía quatro degraus de pedra, cada um mais alto do que eu, mesmo com os braços esticados.
            Fiquei ali parado, sem saber o que fazer. De repente, um habitante do lugar veio em minha direção. Parecia uma torre ambulante. O terror paralisou-me por alguns minutos.
            [...]
SWIFT, Jonathan. Viagens de Gulliver. Adaptação em português de Cláudia Lopes. São Paulo: Scipione, 2002.

Responda às questões abaixo com base na leitura do texto.

1. Releia o primeiro parágrafo e explique o que o narrador quis dizer com "...dali a alguns dias embarcaria embarcaria em direção à África, num navio cujo nome era irresistível para mim: Aventura."

2. Qual é o sentido da última frase do segundo parágrafo "Mary fez apenas um muxoxo e eu percebi que  o seu sexto sentido a fazia desconfiar de minhas palavras..." Explique, também, o significado dos termos destacados.

3. Que episódio da narrativa impediu Gulliver de continuar chamando os companheiros que o haviam esquecido em terra e afastavam-se rapidamente da praia?

4. O que havia de inusitado com a vegetação daquele lugar?

5. o que impediu Gulliver de ir mais adiante pela estrada do milharal?

PRODUÇÃO  TEXTUAL
O que aconteceu após o último parágrafo?Agora é a sua vez! Imagine como Gulliver vai se livrar da criatura gigantesca ! Escreva um texto criativo com aventura e muita ação.

Um comentário:

  1. Olá, Laureano.
    Obrigada pela visita e pelo comentário. A respeito do meu texto, minha intenção foi escrever algo reflexivo e fiquei mto feliz em saber que a mensagem ficou clara! Acho mesmo que fé e persistência andam juntas! Bom, desejo-lhe uma ótima semana e aguardarei sua próxima visita, ok? Abçs

    ResponderExcluir