quarta-feira, 12 de junho de 2013

Avaliação

Avaliação - Modelo Saresp - 6º Ano 

1) TAMANDUÁ-BANDEIRA

      Ele é um mamífero quadrúpede assim como a vaca, o cavalo ou o cachorro. Mas nenhum bicho desse mundo pode ser confundido com um tamanduá: o bico fino e comprido, o corpo peludo e magro e o rabo que parece um espanador de pó fazem do tamanduá um bicho muito diferente.
      Trabalho mesmo o tamanduá tem para abrir o formigueiro e o cupinzeiro. Para isso ele usa as garras das patas dianteiras, que normalmente tem três dedos. O esforço vale a pena: eles chegam a comer ate 30 mil formigas por dia!
      Dentre todas as espécies de tamanduás do Brasil, existe uma que esta em extinção: o Myrmecophaga tridactyla ou tamanduá-bandeira. As fêmeas desse tamanduá tem um filhotinho por vez, quase sempre na primavera. Por ser muito pequeno e frágil, o filhote e carregado nas costas da mãe até cerca de um ano de idade. Depois eles crescem, viram exterminadores de formigas e cupins e podem viver por ate 25 anos.
Fonte: MEIO ambiente: tamandua-bandeira. Disponivel em:  http://www.canalkids.com.br/meioambiente/mundodosanimais/tamandua.htm>. Acesso em: 25 jan. 2009.

As fêmeas de tamanduá-bandeira têm:

(A) diversos filhotes por vez
(B) poucos filhotes por vez
(C) três filhotes por vez
(D) um filhote por vez

2) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO.

Mãe coruja encontra com a amiga.
— Como vai o seu filhinho?
— Um gênio. Ele e precoce. Imagine que já esta andando ha seis meses.
— Verdade? — diz a outra. — Então já deve estar longe.

Fonte: ZIRALDO. As anedotinhas do bichinho da maçã. São Paulo: Melhoramentos, 1997.

O diálogo ocorre entre

(A) uma criança e uma amiga     (B) uma mãe e um gênio
(C) uma mãe e sua amiga           (D) um jovem e uma vizinha

3) VOCÊ SABIA?

A HISTÓRIA DA DENGUE NO BRASIL E NO MUNDO

      Desde o final do século 18, já eram registradas epidemias com descrição semelhante a da dengue na América do Norte e na Ásia. No entanto, o nome, que quer dizer, “câimbra súbita
causada por espíritos maus”, só foi utilizado pela primeira vez em 1827 durante um surto da doença no Caribe.
      Acredita-se que o mosquito Aedes aegypti, que também é vetor do vírus da febre amarela urbana, tenha chegado ao Brasil no período colonial.
      Os primeiros casos remontam a 1846. Devido às fortes dores musculares e nas articulações, por aqui a doença recebeu o nome popular de “febre quebra-ossos”.
      Durante muito tempo, o combate aos focos do mosquito no Brasil esteve relacionado a luta contra a febre amarela que, diferentemente da dengue, possui vacina eficaz. Hoje, enquanto esta se restringe a alguns Estados, em áreas de mata, a dengue se faz presente em quase todo o território nacional, sendo que aproximadamente 50% dos casos notificados localizam-se na região Sudeste.
      No mundo, a doença acomete mais de cem países em todos os continentes, exceto a Europa.

Fonte: A HISTORIA da dengue no Brasil e… Nova Escola, São Paulo, n. 216, out. 2008. Você sabia? (fragmento)

 A palavra destacada no trecho “o mosquito Aedes aegypti, que também é vetor do vírus da febre amarela urbana” pode ser substituída pela palavra


(A) assassino   (B) inferior  (C)  superior   (D) transmissor

4) LEIA OS TEXTOS E RESPONDA A QUESTÃO.

Texto 1. ELEFANTE

      Um dos campeões da comilança no reino animal e o
elefante. Ele é o mamífero terrestre maior do mundo e, para se manter sempre em forma, passa boa parte de sua longa vida comendo. Chega a consumir cerca de 250 quilos de folhagem e capim por dia. Para  matar a sede, bebe em media 200 litros de água. Não é a toa que pode pesar ate 7 toneladas.

Texto 2. BEIJA-FLOR

      O beija-flor gasta muita energia e precisa comer bastante. Ele bate as asas 70 vezes por segundo, voa de lado, de costas e até de cabeça para baixo. Para fazer tantas acrobacias, suga o néctar de ate 1.500 flores por dia e ingere também insetos que têm muitas proteínas.   
 Fonte: CONHECA alguns bichos… Recreio, São Paulo, ano 4, n. 196, 11 dez. 2003.

Os textos “Elefante” e “Beija-flor” têm um assunto comum. Nos dois, os animais

(A) brigam muito
(B) comem muito
(C) dormem muito
(D) passeiam muito


5) PAI E MÃE DIVIDEM RESPONSABILIDADES COM GUARDA COMPARTILHADA

      Pai para um lado, mãe para o outro, e o filho, como fica? Em geral, quando os pais se separam, a criança fica com a mãe e só vê o pai de 15 em 15 dias. Mas não precisa ser assim.
      Uma lei, que passou a valer recentemente, mostra uma outra forma de lidar com filhos de pais  separados que alguns ex-casais já usam: a responsabilidade sobre o filho não tem que ser só da mãe.
     O  nome é complicado, “guarda compartilhada”, mas é fácil de entender: é que o pai também pode estar mais pertinho do dia a dia do filho, em vez de só levá-lo para passear e brincar no fim de semana.
     Os irmãos Vinícius Mendonça Costa, 9, e Otávio, 6, passam parte da semana na casa da mãe, Ana Tereza Toni, e a outra parte, na casa do pai, Gilberto Costa. Quando é dia de estar com a mãe, surpresa!     Quem vai buscar as crianças na escola é o pai, e vice-versa. Assim, diz Ana, “nos vemos todos os dias”. Vinícius gosta do esquema: “É bom ter duas casas, a gente tem tudo em dobro e mais amigos diferentes”.
      E se fosse para ver o pai só às vezes? “Eu iria ficar com saudade, querer saber como ele esta. E ele também.”
      Mas Otávio prefere a casa da mãe. “Ele pergunta sempre se é dia de ir a casa dela”, entrega o irmão.
Os pais de Amanda Marciano Rodrigues Paulino, 10, também são separados, mas ela não fica mudando de casa. Ela mora com a mãe em Goiânia (GO) e o pai dela vive em  São Paulo.
      Mas, graças ao “kit” MSN, Skype e telefone, eles se
falam todos os dias. “Meu pai não pode vir para cá direto, mas, assim, me ajuda nas lições, tira as minhas dúvidas. E divido as coisas da minha vida com os dois, porque eu não amo só um deles”, conta.
Fonte: LAGO, Paula. Pai e mãe dividem… Folha de S. Paulo, São Paulo, 9 ago. 2008. Folhinha. (fragmento)

Um outro título para esse texto poderia ser:

(A)  “ A nova brincadeira da guarda compartilhada”
(B)  “ A nova lei da guarda compartilhada”
(C)  “ A nova polícia da guarda compartilhada”
 (D)  “ A nova receita da guarda compartilhada”

                                      
6) ESCOLAS PELO MUNDO

     Enquanto você começa um novo ano escolar, sabe o que as crianças de outros países estão fazendo? Estudando também!
     Na escola, aprendemos e descobrimos muitas coisas legais e nos preparamos para o futuro. Ela é como um segundo lar, onde encontramos gente de várias raças ou religiões e podemos fazer amigos e nos divertir.
     Em qualquer lugar do planeta, a função da escola é ensinar. Mas existem diferenças, como o que se aprende, a quantidade de aulas, o período de férias.
     Você Sabia…
     Nas escolas do Marrocos, na África, a maioria das crianças estuda só em um período, de manhã ou à tarde, como no Brasil. Mas por lá ninguém precisa usar uniforme e uma das matérias mais importantes nos colégios é religião. De acordo com o lugar onde estuda, o aluno aprende islamismo, catolicismo ou judaísmo.
     Na Rússia, todo mundo aprende música na escola. Os alunos participam de corais, têm aulas de violão, piano e violino e também de música russa, em que tocam balalaica e mandolina, instrumentos parecidos com o violão. As aulas duram seis horas por dia, com férias em junho, julho e agosto, os meses do verão por lá.
     Além disso, a cada dois meses, todos tem folga de uma semana.

Fonte: ESCOLAS pelo mundo. Recreio online, São Paulo, 2008. Disponível em: <http://recreionline.abril.com.br/fique_dentro/diversao/artes/>. Acesso
em: 29 nov. 2008.

Em todo o planeta, a escola é um lugar onde a função é ensinar. Mas, segundo a opinião do autor do texto, a escola é um lugar onde também se pode


(A)  aprender, fazer amigos diferentes e se divertir
(B)  aprender, ter religiões diferentes e se chatear
(C)  morar, fazer amigos diferentes e usar uniforme
(D)  morar, usar uniforme e se divertir

07) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO.


Não precisa embrulhar!

      Alguma vez você parou para pensar em como é estranho que tudo que a gente compra seja embrulhado ou colocado em sacolas ou sacos? Mesmo quando se trata de apenas um artigo, como um bombom… ou um pacote de batatas fritas. Um saco dentro de outro… bem, isso já e uma loucura!
      Mas acontece o tempo todo. E depois nós simplesmente jogamos o saco fora.
      Que desperdício! Os sacos e sacolas são feitos com os tesouros da Terra. Os de papel são feitos de árvores; os de plástico, de petróleo. E a fabricação deles aumenta muito a poluição. Mas você pode ajudar.
Basta dizer “não” para os sacos e sacolas de que não precisa.

Fonte: 50 coisas simples que as crianças podem fazer para salvar a Terra/The Earth-Works Group. 14. ed. Rio de Janeiro: Jose Olympio, 2007. p. 84.

O autor do texto apresenta dois bons argumentos para que as pessoas não utilizem sacos de papel ou de plástico:

(A) é um desperdício jogá-los fora e a fabricação deles aumenta muito a poluição.
(B)  coloque um saco dentro de outro e um bombom dentro de um saco de papel.
(C) os sacos de papel são feitos de árvores e os de plástico de petróleo.
(D)  "Basta dizer  "não"  para os sacos e sacolas plásticos.


08) LEIA O POEMA E RESPONDA A QUESTÃO

RARIDADE

A arara
é uma ave rara
pois o homem não para
de ir ao mato caçá-la
para a por na sala
em cima de um poleiro
onde ela fica o dia inteiro
fazendo escarcéu
porque já não pode voar pelo céu.
E se o homem não para
de caçar arara,
hoje uma ave rara,
ou a arara some
ou então muda seu nome
para a rara.

Fonte: PAES, Jose Paulo. Olha o bicho. 11. ed. São Paulo: Ática, 2000.

A arara deverá se chamar “a rara” pois ela será uma

(A) ave cara                 (B)  ave rara 
(C)  nova ave               (D) velha ave

09) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO.

O cão e o osso

      Um dia, um cão ia atravessando uma ponte, carregando um osso na boca.
      Olhando para baixo, viu sua própria imagem refletida na água. Pensando ver outro cão, cobiçou logo o osso e pôs-se a latir. Mal, porém, abriu a boca, seu próprio osso caiu na água e se perdeu para sempre.
Fonte: ESOPO. O cão e o osso. Disponível em: <http://www.portalcmc.com.br/met255.htm>. Acesso: 17 set. 2009.

A moral dessa fábula é:

(A) Quem semeia vento, colhe tempestade.
(B) Quem desdenha, quer comprar.
(C)  Uma boa ação ganha outra.
(D) Mais vale um pássaro na mão que dois voando.

10) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO.

O GALO ALUADO

O galo aluado
subiu no telhado,
sentiu-se tão só,
cocorissó, cocorissó!
O galo aluado
subiu no telhado
e chamou pelo sol,
cocorissol, cocorissol.
O galo aluado
subiu no telhado
e exclamou para o cão:
Cocoricão! Cocoricão!
O galo aluado
subiu no telhado
e saudou a lua,
cocorilua, cocorilua.
O galo aluado
cochilou no telhado
e ouviu assustado,
cocorigalo, cocorigalo.
Eram o caracol,
cão, lua e sol
que acudiam
ao triste chamado
do galo aluado.

Fonte: CAPARELLI, Sergio. O galo aluado. In: . Boi da cara preta. Porto Alegre: L&PM, 2006. (com cortes)

Este poema conta a história de um galo

(A) briguento.           (B) corajoso. 
(C) orgulhoso.           (D) solitário.

11) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO.

A MENINA DO LEITE

      Laurinha no seu vestido novo de pintas vermelhas, chinelos de bezerro, treque, treque, treque, lá ia para o mercado com uma lata de leite a cabeça — o primeiro leite da sua vaquinha mocha. Ia contente da vida, rindo-se e falando sozinha.
      — Vendo o leite — dizia — e compro uma dúzia de ovos.         Choco os ovos e antes de um mês já tenho uma dúzia de pintos. Morrem… dois, que sejam, e crescem dez — cinco frangas e cinco frangos. Vendo os frangos e crio as frangas, que crescem e viram ótimas botadeiras de duzentos ovos por ano cada uma. Cinco: mil ovos! Choco tudo e lá me vem quinhentos galos e mais outro tanto de galinhas. Vendo os galos. A dois reais cada um — duas vezes cinco, dez…
      Mil reais!… Posso então comprar doze porcas de cria e mais uma cabrita. As porcas dão-me, cada uma, seis leitões.   Seis vezes doze…
      Estava a menina nesse ponto quando tropeçou, perdeu o equilíbrio e, com lata e tudo, caiu um grande tombo no chão.
      Pobre Laurinha!
     Ergueu-se chorosa, com um ardor de esfoladura no joelho; e enquanto espanejava as roupas de pó viu sumir-se, embebido pela terra seca, o primeiro leite da sua vaquinha mocha e com ele os doze ovos, as cinco botadeiras, os quinhentos galos, as doze porcas de cria, a cabritinha — todos os belos sonhos da sua ardente imaginação…

Fonte: LOBATO, Monteiro. A menina do leite. In: . Fábulas. 23. ed. São Paulo: Brasiliense, 1971.

O texto “A menina do leite” poderia apresentar a seguinte moral:

(A)  “ A mentira tem perna curta.”
(B)  “ De grão em grão a galinha enche o papo.”
(C) “ Quem ama o feio, bonito lhe parece.”
(D)  “ Quem tudo quer tudo perde.”


12) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO:


BOLHAS DE SABÃO

      A beleza, os formatos e as cores das bolhas de sabão encantam muita gente. Uma característica super bonita, que encanta todo mundo, são as cores que se distribuem na película de sabão. Se você fizer bolhas perto da luz, vera um verdadeiro arco-íris!
      O primeiro passo e conseguir pedaços de arame, se possível, encapados. Depois, prepare uma solução de água e sabão. E muita, muita criatividade. Deixe a imaginação correr, crie bolhas maiores, menores, das mais variadas formas…

Fonte: BOLHAS de sabão. Ciência Hoje das Crianças, Rio de Janeiro, ano 12, n. 88, p. 9-10, jan.-fev. 1999.

No texto percebemos que o autor se refere diretamente ao leitor em

(A)  Se você fizer bolhas perto da luz, verá um verdadeiro arco-íris!”
(B)  “ Uma característica super bonita, que encanta todo mundo.”
(C)  “ As cores das bolhas de sabão encantam muita gente.”
(D)  “ O primeiro passo é conseguir pedaços de arame.”

13) LEIA O TEXTO E RESPONDA A QUESTÃO

O ELEFANTE

O Juquinha e outros dois garotos foram levados ao diretor do zoológico por causa de uma baita briga. O diretor começa o interrogatório:
— Quem e você e por que esta aqui?
— Eu sou Juquinha e joguei amendoim nos elefantes.
Então o diretor perguntou ao segundo:
— Quem é você e por que esta aqui?
— Eu sou Joãozinho e joguei amendoim nos elefantes.
Então o diretor perguntou ao terceiro menino, que estava todo machucado:
— Quem é você e por que esta aqui?
— Eu sou o Amendoim.

Fonte: DOMENICO, Guca; SARRUMOR, Laert. O elefante. In: . Um campeonato de piadas. São Paulo: Nova Alexandria, 1999.

O texto é engraçado porque

(A)  o diretor do zoológico tinha o apelido de Amendoim

(B)   o terceiro menino tinha o apelido de Amendoim
(C)  os elefantes gostaram do amendoim jogado
(D)  os meninos jogaram amendoim para os elefantes

14) LEIA E RESPONDA:

ESTAMOS A TODA

      Assim e a nova Turma da Mônica, adolescente e em versão mangá, que começa a chegar este mês as bancas via Editora Panini. Como os quadrinhos japoneses, as histórias em quadrinhos serão em preto-e-branco e maiores, com 128 paginas, mas com ordem de leitura ocidental mesmo. Pai da turma, Maurício de Sousa falou a Megazine sobre o novo projeto.
O GLOBO: Por que versões adolescentes de Mônica, Cascão e Magali?
Maurício de Sousa: Sempre pensei em ter os personagens em uma idade media de 16 anos, com temas mais próximos a eles, para um público jovem. Drogas, sexo e outros assuntos poderão entrar nas histórias, mas sempre como se fosse uma conversa de pai para filho.
O GLOBO: E os novos projetos para a turminha?
Maurício de Sousa: O próximo filme da Turma da Mônica e Romeu e Julieta, que esta em cultura. Aliás, será também um grande musical para o teatro. E já temos prontos os 13 primeiros episódios das animações feitas para a TV, além da produção do filme em 3D do Penadinho. Como vê, estamos a toda.

Fonte: NAVEGA, Telio. Estamos a toda. O Globo, Rio de Janeiro, 5 ago. 2008. Megazine. (fragmento)

As duas partes do texto, na ordem em que aparecem, são

(A)  apresentação do assunto e a entrevista
(B)  apresentação do assunto e o modo de fazer a entrevista
(C)  reprodução da fala do repórter e o modo de fazer a entrevista
(D )entrevista e a apresentação do assunto

15)   LEIA A LENDA E RESPONDA A QUESTÃO

Napi, os homens e os animais
    
       No início do mundo nasceu o Sol, e depois dele surgiu Napi, o criado, o guardião da vida. Um dia Napi descansava perto de uma fonte. Olhou para a terra úmida e teve uma ideia: pensou que seria divertido moldar pequenas criaturas de argila. Primeiro modelou um animalzinho. Gostou dele e continuou a criar, e fez aparecer todos os animais que até hoje vivem na face da terra. Quando terminou, deu a cada animal um lugar para habitar. Por último moldou o homem e lhe disse:
        — Você deve viver na floresta, é o melhor lugar para você.
      Depois, fechou os olhos e tentou descansar. Mas não conseguiu. Poucas horas mais tarde os animais voltaram para reclamar. Ninguém estava feliz. O touro parecia furioso:
        — Não posso viver na montanha, Napi. Preciso de pasto!  
        O antílope também estava aborrecido:
        — Napi, não posso viver no pântano, meu sonho é correr pelos campos!
        Até mesmo o sensato camelo tinha uma queixa:
       — Napi, detestei o deserto. Será que você não pode me mudar de lugar?
      O homem, então, não parava de reclamar. Queria viver viajando, queria conhecer todos os lugares. Era muito curioso para viver só na floresta.

(Historia da mitologia africana) Fonte: PRIETO, Heloisa. Lá vem história: contos do folclore mundial. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1997.

Assinale a alternativa em que os principais fatos são apresentados na mesma ordem em que acontecem
no texto.

(A)   Napi criou os animais e o homem e logo depois eles se tornaram criaturas insatisfeitas, reclamando muito para trocar de lugar.
(B)  Napi criou os homens e os animais, eles gostaram do lugar onde viviam, mas preferiam viajar mais e pediram a Napi para ir embora.
(C) Napi criou primeiro o homem e depois os animais. Todos receberam um lugar para viver, mas os lugares não eram bons, por isso foram reclamar a Napi.
(D)  Napi modelou em argila os animais e o homem. Deu a cada um deles um lugar para viver. Os animais e o homem ficaram descontentes com o lugar que cada um recebeu e forma chamar a Napi.

16) A menina e o lobo

      Certo dia, a mãe de uma menina mandou que ela levasse um pouco de pão e de leite para sua avó.
      Quando a menina ia caminhando pela floresta, um lobo aproximou-se e perguntou-lhe para onde se dirigia.
      — Para a casa de vovó — ela respondeu.

Fonte. DARNTON, R. O Grande Massacre dos Gatos e outros episódios da História Cultural francesa. Rio de Janeiro: Graal, s.d. (fragmento)


O lugar onde se passa este trecho da história é
(A)  a casa da menina e do lenhador.
(B)   a casa da avo e a floresta.
(C)  a casa da menina e a floresta.
(D)  a casa do lobo e a floresta.

17) Leia a fábula e responda a questão:

O LEÃO E O RATO

Ao deixar seu buraquinho,
viu-se o pobre do Ratinho
entre as patas do Leão.
Levou um susto sem nome.
Acontece que o felino,
 talvez por não estar com fome,
 Não quis o Rato matar.
Gesto que não foi em vão.

Quem iria imaginar
que um simples rato
 pudesse um dia o Leão salvar?
Pois e isso que acontece!
Pensando em matar a sede,
o Leão buscava o rio
quando caiu numa rede.
O bicho ficou bravio
e embora se debatesse não lograva se livrar.
Chegou o Ratinho, então,
roeu os fios da rede
e libertou o Leão.

Fonte: LA FONTAINE, Jean de. Fábulas. Tradução de Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

A pergunta “Quem iria imaginar que um simples rato pudesse um dia o Leão salvar?” presente na segunda estrofe expressa

(A)  um conselho.           (B)  uma duvida.
(C)  uma sugestão.         (D) uma surpresa.

18. Leia o texto a seguir:

     Por que  pessoas  têm chulé?
    
       No ambiente úmido e quente surgem bactérias e fungos que causam cheiro ruim. Isso acontece, por exemplo, com os nossos pés ,quando tomamos banho, não os enxugamos bem e colocamos um tênis. O problema pode aparecer também em  pessoas que transpiram muito.

( Ingra Barcelos, 9 anos. Revista Recreio, Ano 1n n.36, p.6.)

De acordo com texto, o chulé acontece ,principalmente, porque

(A) não passamos perfume nos sapatos.         
(B) pisamos em ambientes muito unidos.
(C) não enxugamos bem o pé após o banho.    
(D) lavamos o tênis e vestimos sem secar.


19. Considere o texto:

Quem inventou o pão?
    
 O pão é um dos alimentos mais antigos que existem.Há registro de que já era conhecido desde a Pré-História. Só que
naquela época, era uma mistura amarga de cereais, água e sal. Os egípcios descobriram o fermento e o acrescentaram à sua receita. Já as primeiras padarias surgiram na Grécia

antiga. No Brasil, elas começaram a aparecer em 1920.

             (Revista Recreio. Ano 1, n.35. novembro 2000, p.5)

Este texto serve para

(A) informar.  (B) criticar.  (C) ilustrar   (D)  divertir.

20. Considere o texto:

 Querido Pai,

      Não deu para eu cumprir a promessa. A Mãe foi mesmo embora. Mas a mala dela ficou. E eu acho que assim, sem mala, sem roupa pra trocar, sem escova de dente, não vai dar pra Mãe ficar muito tempo sem voltar. Não sei. Vamos ver.    Eu arrastei a mala e escondi ela debaixo da sua cama, viu?
Um beijo da
                                                                   Rebeca.

Fonte: NUNES, Lygia Bojunga. Tchau. Rio de Janeiro: Casa Lygia Bojunga, 2003. (excerto)

Para Rebeca, o fato de  a Mãe ter deixado a mala em casa, indica que ela

(A) pode voltar.           (B) quer voltar.   
(C) decidiu voltar.        (D) não voltará.


  21. Leia o poema de Mário Quintana.                     


                     Pássaros

As mãos que dizem adeus são pássaros
Que vão morrendo lentamente...

Fonte: QUINTANA, Mário. Pássaros. In: ______. A cor invisível. São Paulo: Globo, 1994. p. 119.

O poeta compara as mãos que dizem adeus com

(A) a morte das pessoas .
(B) a morte dos pássaros.
(C) outras mãos.
(D) a vida dos pássaros



Leia o texto para responder às  questões 27  e 28

Poluição: o homem é o grande vilão
   
    Veja só que coisa triste: o homem é o único ser vivo que destrói o ambiente em que vive. Nenhum outro habitante do planeta polui o ar, contamina a água, devasta florestas.
      As cidades são os centros de trabalho e moradia da maioria das pessoas do mundo. abastecer e abrigar esse mundão de gente, consumimos energia, exploramos muitos recursos naturais e produzimos um montão de lixo.
      É aí que mora o problema. A ação do homem é perigosa, pois é feita em grandes proporções. A fumaça das indústrias, das queimadas e dos carros das grandes cidades
enchem o céu de gases tóxicos. Os esgotos não-tratados e o lixo produzido por indústrias e por milhões de pessoas contaminam a água e o solo.

                                                                                                               /www.canalkids.com.br/meioambiente/planetaemperigo/poluicao.htm

22. O texto destaca

(A) os efeitos da poluição no planeta Terra.
(B) os milhões de pessoas que habitam o planeta Terra.
(C) a moradia das pessoas no mundo.
(D) o tratamento dos esgotos nas cidades.


23. A  expressão "Aí que mora o  problema" indica que


(A) As cidades são os centros de trabalho.
(B) O homem é perigoso.
(C) Abrigar muitas pessoas.
(D) Produzimos um montão de lixo.

24. Leia o texto abaixo párea responder às questões 3 e 4:

                                       ABELHAS

A abelha operária, encarregada pela natureza da proteção da colmeia até com a própria vida, tem um ferrão com pequenas farpas, o que impede que seja retirado facilmente. Depois de dar a ferroada, a abelha tenta escapar, voando. No entanto, por causa das farpas, a parte posterior do abdômen, onde se localiza o ferrão, fica presa e a abelha morre. Como ali também se localizam os nervos da glândula de veneno, este continua a ser instilado na ferida mesmo depois da partida do inseto. Quando o ferrão é usado contra outros insetos, a abelha não morre, porque ela pode retirar as farpas das vítimas.
                                                                                      
(Superinteressante,18/10/2010)

 Releia o trecho:

“Como ali também se localizam os nervos da glândula de veneno, este continua a ser instilado na ferida mesmo depois da partida do inseto”.

O termo em destaque é usado para evitar a repetição da palavra:

a) colmeia        b) farpas       c) abdômen     d) glândula




Nenhum comentário:

Postar um comentário